domingo, 29 de outubro de 2017

Tag: Dias da Semana em Livros

Hoje trago-vos uma tag que se chama “Dias da Semana em Livros”, fui marcada pela Rita Mendes do instagram @_inspiredbybelle_ para a fazer (obrigada pela tag, Rita!), mas decidi fazê-la aqui, em vez de responder no instagram.


1.       Domingo- Um livro que você não quer que termine ou não quis que terminasse.

 
Um livro que eu não queria mesmo que terminasse era “Anjo Sombrio” de Cynthia Hand, o segundo volume (e último editado aqui em Portugal) de uma trilogia, cujo primeiro livro eu tinha realmente amado! Naturalmente, queria saber o que acontecia, mas ao mesmo tempo não queria terminar o livro porque sabia que ia ficar com muitas saudades dos personagens e de todo aquele ambiente. (Se quiserem saber um pouco mais sobre este livro e sobre o primeiro volume, sem spoilers, claro, aqui está o link da minha opinião: http://euliaeleio.blogspot.pt/2017/01/celestial-anjo-sombrio-de-cynthia-hand.html)

 

2.       Segunda Feira- Um livro que você tem preguiça de começar.

 
Já vi a booktuber Paola do canal “Livros & Fuxicos” falar tanta vez bem da série de livros “Os Bridgertons”, de Julia Quinn, que até comprei o primeiro volume, publicado cá em Portugal com o título de “Crónica De Paixões E Caprichos”, mas são já tantos volumes publicados (11 publicados aqui), que dá até uma certa preguiça de começar a ler, mesmo vendo críticas tão positivas.

 

3.       Terça Feira- Um livro que você empurrou com a barriga ou leu por obrigação

 
“Os Maias” de Eça de Queiroz foi um livro que precisei de ler por causa da escola e acabou por ser uma leitura que eu fiz com algum esforço, para ser sincera. (Se tiverem curiosidade em saber a minha opinião sobre o livro, mais detalhadamente, está aqui o link do post que fiz sobre ele: http://euliaeleio.blogspot.pt/2016/04/os-maias-de-eca-de-queiroz.html)

 

4.       Quarta Feira- Um livro que você deixou pela metade ou está lendo no momento.

 
Apesar de um dos livros da Cynthia Hand ser dos meus preferidos (ou seja, adoro a autora igualmente), o livro “O Último Adeus” dela foi um que eu parei a meio (literalmente) por causa de testes e trabalhos e acabei não tendo muita vontade de retomar, embora até estivesse a gostar do livro.

 

5.       Quinta Feira- O livro de quinta. Um livro que você não recomenda.

 
É sempre difícil recomendar e não recomendar livros, porque é tudo muito subjetivo, eu não gostei, mas tu podes gostar, ou vice-versa e “Memorial do Convento” de José Saramago foi um livro que, pessoalmente, não gostei, não quer dizer que não seja bom. A propósito, há um post sobre este livro no blog, onde explico um pouco melhor o meu ponto de vista, caso tenham interesse em saber, aqui está o link: http://euliaeleio.blogspot.pt/2017/04/memorial-do-convento-de-jose-saramago.html

 

6.       Sexta Feira- Um livro que você quer que chegue logo, lançamento ou compra.

 
“Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban – Ilustrado” (não tanto para compra, porque eu nunca tenho comprado as edições ilustradas assim que saem, mas porque eu quero puder entrar numa livraria e folhear o livro para ver como é que as ilustrações ficaram!)

 

7.      Sábado- Um livro que você quis começar novamente, assim que terminou.

 
Quem me conhece, sabe que não sou muito a favor de releituras, mas lembro-me que o meu primeiro instinto ao terminar o livro “diz-lhe que não” de Helena Magalhães foi “Vou já voltar ao início e recomeçar a leitura!”, acabei por não fazer isso, e não sei se o irei reler na totalidade, mas marquei muitas, mas mesmo muitas páginas com post-its, que com certeza, essas, eu irei relê-las! (Fiz resenha deste livro no blog, aqui está o link, para quem quiser ir lá ver: http://euliaeleio.blogspot.pt/2017/05/diz-lhe-que-nao-de-helena-magalhaes.html)

 
Não vou marcar ninguém para fazer a tag, mas quem quiser fique à vontade para fazer e me marcar! Espero muito que tenham gostado!

Beijinhos e boas leituras!

Lia

domingo, 22 de outubro de 2017

Eternidade de Alyson Noël

Classificação: ⭐⭐

Hoje trago-vos (num texto um pouco mais curto que o normal) a minha opinião sobre o livro “Eternidade” de Alyson Noël.

Eu “li” este livro em audiobook e foi a minha primeira experiencia com este tipo de leituras. Confesso que foi uma leitura super rápida, porque a mulher da narração do áudio lia bem mais rápido do que eu costumo ler, mas conseguia perceber tudo perfeitamente.

O livro conta a história de uma jovem, a Ever Bloom, que sofre um terrível acidente onde morre toda a sua família mais próxima, o que faz com que tenha de ir morar com a sua tia. Ever é uma jovem aparentemente normal, mas ela consegue ver as auras das pessoas que a rodeiam, ouvir os seus pensamentos e conhecer a história da vida de qualquer pessoa através de um simples toque, portanto, já percebemos que de normal, tem muito pouco. O que Ever não estava a contar é com o novo aluno da escola, o Damen Auguste, que é completamente encantador e simplesmente irresistível… mas Ever não está na melhor fase da sua vida e não se quer envolver com ninguém, mas será ela capaz de resistir a tanto encanto?

Este é um livro de romance paranormal/fantástico que me irritou um pouco porque tinha um romance muito repentino e pareceu-me algo muito pouco natural. Em algumas partes as coisas pareceram-me muito óbvias e não gosto muito quando os livros se tornam muito previsíveis.

Porém, a escrita da autora é bastante fluida e acaba por cativar o leitor passadas algumas páginas, ainda assim, não me arrebatou completamente.

Em suma, foi uma boa experiência e uma ótima forma de passar o tempo, mas infelizmente não passou nenhuma mensagem, nem abordou nenhum tema mais crítico, como eu gosto tanto que aconteça nos livros que leio.

Não sei se irei dar continuidade à série de pelo menos seis livros em que este é apenas o primeiro volume, uma vez que não fiquei tão arrebatada como pensava que iria ficar.

Se decidirem dar uma oportunidade a este livro, ou se já o leram, contem-me o que acharam dele nos comentários.

Beijinhos e boas leituras!

Lia

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Vi o filme... mas não li o livro! (Parte 1)

Com este post vou inaugurar este novo quadro aqui no blog, que só pelo nome já diz tudo: “Vi o filme… mas não li o livro!”, porém este novo quadro não terá muitos posts, uma vez que irei falar de cinco livros/filmes de cada vez e eu não vi assim tantos filmes baseados em livros, ao ponto de fazer muitos posts neste estilo.

Não sei se sou a única leitora ou não, que vê os filmes antes de ler os livros. O que acaba por acontecer muitas vezes é que perco ligeiramente o interesse na leitura porque já recebi muitos spoilers da história. Noutras alturas fico ainda mais empolgada em ler os livros para saber os detalhes da história que gostei tanto, mas que apenas durou pouco mais de uma hora e meia.
 
Em praticamente todos os filmes que vi, foi ter muita curiosidade em saber a história mais rapidamente e não ter tempo disponível suficiente para ler o livro.

Para cada filme/livro vou colocar a sinopse do livro e o link do trailer do filme (no youtube) com legendas em português.
 

“Agora Fico Bem” de Jenny Downham

SINOPSE:
Inspiradora, comovente, divertida e profundamente marcante, não é exagero dizê-lo. É assim a história de Agora fico Bem, o primeiro romance da inglesa Jenny Downham, cujo sucesso levou de imediato a comparações com J. K. Rowlings.
O livro começa com um desejo. Nada muito complicado. Tessa, a jovem a quem restam apenas alguns meses de vida, quer ter relações sexuais antes de morrer. E quer também conduzir "às escondidas", experimentar drogas, roubar coisas de uma loja... viver o tempo que resta!
Cumprir cada item da lista das 10 coisas a fazer antes de morrer torna-se assim a única ambição de Tessa perante o seu imutável destino.
Agora fico Bem é por isso um romance brilhante, comovente mas curiosamente cheio de vida. E mesmo partindo de um tema doloroso, passado com leveza e doçura, é um texto verdadeiro e tocante, sem ser piegas.
 
Trailer do filme: https://www.youtube.com/watch?v=A7GCHZw0urE
 
 

 “Viver Depois de Ti” de Jojo Moyes
 
SINOPSE:
Louisa Clark é uma jovem com uma vida banal - um namorado estável, trabalhador e uma família unida - que nunca saiu da aldeia onde sempre viveu. Quando fica desempregada, vê-se obrigada a aceitar um emprego em casa de Will Traynor, que vive preso a uma cadeira de rodas, depois de um acidente. Ele sempre tinha vivido de um modo trepidante - grandes negócios, desportos radicais, viajante incansável - agora tudo isso ficou para trás.
Will é mordaz, temperamental e autoritário, mas Lou recusa tratá-lo com complacência e em breve a felicidade e o bem-estar dele tornam-se muito mais importantes do que ela esperaria. No entanto, quando Lou descobre que Will tem planos inconfessáveis para a sua vida, ela luta para lhe mostrar que ainda assim vale a pena viver.
Em Viver depois de ti, Jojo Moyes aborda um tema difícil e controverso, com sensibilidade, obrigando-nos a refletir sobre o direito à liberdade de escolha e as suas consequências.
 
Triler do filme: https://www.youtube.com/watch?v=fcYTKsLsMy4
 

 
“Monstros Fantásticos e Onde Encontrá-los” - O Argumento Original do Filme de J. K. Rowling
 
SINOPSE:
A ação do filme Monstros Fantásticos e Onde Encontrá-los começa no ano de 1926, no momento em que Newt Scamander, representado por Eddie Redmayne, premiado com um Óscar da Academia, conclui uma viagem à volta do mundo para encontrar e documentar um conjunto extraordinário de criaturas mágicas.
Tendo chegado a Nova Iorque para uma breve paragem, ele poderia ter partido de imediato sem qualquer incidente... não fosse um No-Maj (termo americano para Muggle) chamado Jacob, uma pasta mágica perdida e a fuga de alguns dos monstros fantásticos recolhidos por Newt, que causam grandes problemas quer no mundo da feitiçaria quer no mundo No-Maj.
 
Trailer do filme: https://www.youtube.com/watch?v=OZgBTbqw-aw
 

“A 5ª Vaga” de Rick Yancey

SINOPSE:
A 5ª Vaga, o volume que dá início à trilogia com o mesmo nome, é uma obra-prima da ficção científica moderna. É um épico extremamente original, que nos apresenta um cenário de invasão extraterrestre do planeta Terra como nunca antes foi escrito ou sequer imaginado. Nesta narrativa assombrosa, uma nave extraterrestre fixa-se na órbita da terra, à vista de todos mas sem estabelecer qualquer interação. Até que, subitamente, uma gigantesca onda eletromagnética desativa todos os sistemas da Terra, e todas as luzes, comunicações e máquinas deixam de funcionar. A esta primeira vaga seguem-se outras, num crescendo de violência que devasta grande parte da humanidade. Será este o fim da existência humana sobre a Terra? Haverá ainda alguma salvação possível? Um thriller de alta voltagem, com todos os ingredientes para se tornar um grande clássico da literatura fantástica universal.
 
Trailer do filme: https://www.youtube.com/watch?v=9vckloCFivE

 
“A Rapariga que Roubava Livros” de Markus Zusak
 
SINOPSE:
Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para o 9º ano de escolaridade, destinado a leitura orientada.
Quando a morte nos conta uma história temos todo o interesse em escutá-la. Assumindo o papel de narrador em A Rapariga Que Roubava Livros, vamos ao seu encontro na Alemanha, por ocasião da segunda guerra mundial, onde ela tem uma função muito activa na recolha de almas vítimas do conflito. E é por esta altura que se cruza pela segunda vez com Liesel, uma menina de nove anos de idade, entregue para adopção, que já tinha passado pelos olhos da morte no funeral do seu pequeno irmão. Foi aí que Liesel roubou o seu primeiro livro, o primeiro de muitos pelos quais se apaixonará e que a ajudarão a superar as dificuldades da vida, dando um sentido à sua existência. Quando o roubou, ainda não sabia ler, será com a ajuda do seu pai, um perfeito intérprete de acordeão que passará a saber percorrer o caminho das letras, exorcizando fantasmas do passado. Ao longo dos anos, Liesel continuará a dedicar-se à prática de roubar livros e a encontrar-se com a morte, que irá sempre utilizar um registo pouco sentimental embora humano e poético, atraindo a atenção de quem a lê para cada frase, cada sentido, cada palavra. Um livro soberbo que prima pela originalidade e que nos devolve um outro olhar sobre os dias da guerra no coração da Alemanha e acima de tudo pelo amor à literatura.
 
Trailer do filme: https://www.youtube.com/watch?v=J24AlOYHpVU

 
Acho que já conseguiram pegar algumas dicas de filmes baseados em livros, ou de livros que serviram de base a filmes, que talvez não conheciam. Espero que tenham gostado!

Irei trazer-vos mais livros/filmes noutro post.
 
Beijinhos e boas leituras!
 
Lia

sábado, 30 de setembro de 2017

O Prédio das Mulheres que Desistiram dos Homens de Karine Lambert

Classificação: ⭐⭐⭐

Terminei a leitura do livro “O Prédio das Mulheres que Desistiram dos Homens” recentemente e decidi trazer-vos a minha opinião sobre ele. Ao longo do post irei também colocar alguns quotes do livro.

Para além da capa deste livro, o que me chamou à atenção foi o título e a sinopse. O livro conta a história de umas mulheres que vivem num prédio onde proibiram completamente a entrada dos homens. Mas acabam por estar sempre presentes nas memórias e nas mágoas de cada uma.

“Às vezes é preciso aprender a ficar de pé sozinha. É tão difícil.” (página 148)

Tudo corre “às mil maravilhas” até à chegada da Juliette, a nova inquilina do prédio, que vai começar a abalar aos poucos as convicções das mulheres deste prédio, porque ao contrário delas, a Juliette ainda não desistiu dos homens.

Todas as “Mulheres que Desistiram dos Homens” não desistiram simplesmente porque “sim”, mas por um motivo forte. E cada um desses motivos é revelado ao longo do livro e percebemos melhor o porquê desta escolha.

“A formação de um casal não é a única resposta à pergunta «como ser feliz?»” (página 163)

O prédio é “governado” pela Rainha, a dona do prédio e a pessoa que impôs esta regra, também ela com os seus motivos para a abstinência do amor dos homens na sua vida.

“Só nos palcos podemos dançar todos os dias com o nosso parceiro a mesma coreografia sem cair. Na vida real, é mais perigoso.” (página 32)

A história é maioritariamente narrada pela Juliette, mas também tem partes narradas pelas outras mulheres, quando o leitor fica a conhecer os motivos de cada mulher desistir dos homens. Estas partes são nos apresentadas através de flashbacks.

A narrativa é fluida e os capítulos são relativamente curtos.

É um romance perfeito para pessoas que não gostam romances muito clichés e muito lamechas, que é o meu caso. É um romance que nos mostra algo próximo às verdadeiras relações amorosas, sem o “viveram felizes para sempre” no final do livro, como nos contos de fadas. E estes são na minha opinião, os melhores romances.

Se alguém conhecer algum livro semelhante, ou tiver ficado interessado em ler “O Prédio das Mulheres que Desistiram dos Homens” digam-me nos comentários porque vou ficar muito feliz em saber!

Beijinhos e boas leituras!

Lia