sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

O fim (pelo menos por agora) do euliaeleio

Olá a todos, tal como tudo na vida também ter um blog e escrever para ele tem um fim, porque a vida é feita de etapas e nem tudo dura para sempre.

Nos últimos meses tem sido cada vez mais difícil arranjar e produzir conteúdo, aqui para o blog. Tanto por falta de tempo para ler, como para me atualizar das novidades literárias.

Além de tudo isto, também sinto pouca repercussão por parte do público, uma vez que os blogs em Portugal não tem muito público, um blog literário tem ainda menos.

No próximo ano vão acontecer muitas reviravoltas na minha vida: vai ser a reta final do curso, vai ser o estágio de três meses, a possibilidade de fazer Erasmus, e ainda continuar a conciliar dois trabalhos de meio tempo, com as aulas do curso até todas estas reviravoltas começarem… pelo que é (e cada vez será mais) complicado conciliar tudo isto com o blog e com as leituras.

Continuando e fazendo um esforço para continuar com o blog minimamente atualizado vai fazer com que isto se torne uma obrigação, coisa que eu nunca tencionei que fosse.

No título diz que é o fim (pelo menos por agora) do euliaeleio, porque não tenho disponibilidade para o manter atualizado, por agora, mas nada me impede que daqui, a quem sabe uns meses, ou daqui a um ano ou dois, me consiga orientar a nível de tempo e voltar a escrever aqui.

O blog vai continuar no ar e podem consultar à mesma todos os posts já publicados. O instagram, bem como as restantes redes sociais do blog também se encontraram ativas e esporadicamente poderei ir colocando uma coisa ou outra no instagram ou instastories.

Espero que tenham gostado dos posts que publiquei ao longo destes quase três anos de blog. Para mim foi um prazer ter escrito aqui.

Até breve!

Beijinhos e boas leituras!


Lia

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

Papá das Pernas Altas de Jean Webster

Classificação: ⭐⭐⭐⭐

Estive com ressaca literária graças a um livro muito bom, “A química dos nossos corações” de Krystal Sutherland e depois não conseguia pegar em mais nenhum livro para ler, ainda por cima, estava de férias, e queria aproveitar o máximo de tempo possível para ler, uma vez que quase não li este ano. Foi então que ao falar com uma amiga, ela me aconselhou a sair da minha zona de conforto e eu peguei o livro “Papá das Pernas Altas” de Jean Webster para ler, uma vez que se trata de um chicklit, um género que eu não tenho o hábito de ler (aliás, para ser sincera, nem sei se já li algum). (Na altura a minha amiga até me tinha sugerido um thriller, mas como tinha este livro mais à mão e me apetecia algo mais divertido, decidi pegar neste.)

O livro conta a história de uma jovem alegre e trabalhadora, a Jerusha Abbott, que sempre viveu toda a sua vida num orfanato… até ao dia em que um dos benfeitores do orfanato lhe concede uma bolsa para que a Jerusha vá para a universidade e siga a carreira de escritora. Esta jovem pouco sabe sobre o seu benfeitor, apenas que tem as pernas altas, mas é claro que tanto ela como nós vamos morrer de curiosidade para descobrir mais sobre este seu benfeitor.

O livro é escrito quase todo em forma de carta da Jerusha Abbott e direcionada ao "Papá das Pernas Altas", como ela gosta de lhe chamar carinhosamente.

É uma história de empoderamento feminista, é o relato de uma mulher feliz, mas que procura encontrar o seu lugar no mundo, além disso, ensina-nos a nunca desistir dos sonhos. Só por estas características, já é um livro que vale a pena ler.

A Jerusha Abbott é uma personagem muito engraçada, que faz rir o leitor várias vezes, exatamente o que se pretende num chicklit. O romance não está muito presente, mas ainda assim, gostei muito de como apareceu, uma vez que não estava com muita vontade de ler um livro com muito romance.

Ao longo do livro a personagem vai ilustrando as suas cartas com pequenas ilustrações do que se passa no seu dia-a-dia. Não são umas ilustrações magníficas e de ótima qualidade, mas acho que ficam bem no livro.

[Até aqui, seria um livro cinco estrelas, sem dúvida, mas por existirem alguns percalços, vi-me na obrigação de dar apenas quatro estrelas. Porém, uma vez que façam uma reedição (o que eu espero que aconteça), algumas coisas poderão ser, efetivamente corrigidas.]

A ação passa-se num século passado, mas este não chega a ser referido, ou se o é, não o é diretamente. Existem alguns erros de incongruência com o que é dito ao longo da história, como a idade da personagem, que “misteriosamente” recua sem que se trate de um flashback de certeza. Para além destes erros, existem muitos outros ortográficos. Acho que isto tenha acontecido por falta de uma boa revisão final.

Existem alguns momentos em que existem algumas críticas à fé e à religião e algumas pessoas que sejam mais religiosas podem não gostar.

Pelas minhas pesquisas, o livro já não se encontra à venda nas livrarias, provavelmente só o conseguirão encontrar em alfarrabistas ou em sites de venda em segunda mão.

Espero que tenham gostado.

 

Beijinhos e boas leituras!

 

Lia
 

terça-feira, 30 de outubro de 2018

Um de Nós Mente de Karen M. McManus

Classificação: ⭐⭐⭐⭐⭐

Com tanto trabalho na escola e um trabalho a meio tempo aos fins-de-semana, era de adivinhar que eu mal teria tempo para ler… e é escusado responder a isso, porque a resposta é sim.

Porém, consegui aproveitar algum do meu tempo livre para ler (e claro, quando a leitura nos prende, tudo fica mais fácil, não é?).

O livro que decidi ler é o “Um de Nós Mente” de Karen M. McManus, que foi um livro que eu comprei à pouco tempo e é um lançamento relativamente recente.


Para quem não conhece de que se trata este livro, aqui está a sinopse:

Simon Kelleher é o criador do Má-Língua, uma nova aplicação que está a encurralar a elite de Bayview High, revelando pormenores da vida privada dos alunos da escola. Mas o caso torna-se mais grave quando Simon e quatro colegas ficam fechados de castigo numa sala, e ele morre diante das suas vítimas. Os quatro que se tornam suspeitos imediatos do homicídio, são: A melhor aluna da escola, Bronwyn que nunca viola uma regra e quer entrar em Yale. A estrela da equipa de basebol de Bayview, Cooper. Nate, o criminoso, que está em liberdade condicional por vender droga.A menina bonita, Addy, que parece ter a vida perfeita ao lado do namorado perfeito.Que segredos queriam esconder para eliminar Simon? Quem será o culpado?


Este livro acaba por ser uma espécie de policial leve, misturado com um YA, e resultou bastante bem, na minha opinião.

A escrita é bastante fluida e a autora vai lançando reviravoltas de vez em quando, o que faz com que o leitor fique preso ao livro, na ansia de querer saber o que vem a seguir e quem, dos quatro alunos que estava no castigo com Simon, o matou efetivamente.

Tal como num bom policial, as pistas vão mudando gradualmente de alvo, fazendo com que numa hora seja um aluno o principal suspeito, e na outra já seja outro e o jogo fique completamente ao contrário. Como YA, funciona igualmente bem, adorei as personagens e a consistência de cada um deles, bem como as relações criadas.

No fundo, foi realmente um livro cinco estrelas que me prendeu do início ao fim, e que recomendo bastante a pessoas que gostam deste tipo de livros.

Beijinhos e boas leituras!

Lia

sábado, 29 de setembro de 2018

Tag: No outono é sempre igual

Para quem não sabe, acabamos de entrar na minha estação do ano preferida: o outono! Para “celebrar” esta altura, decidi responder a uma tag literária que se chama “No outono é sempre igual”.

Vi a tag no canal “Livros e Fuxicos” da Paola Aleksandra (link do vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=vmNwgslFHuU), mas quem criou foi a Melina Souza (link do vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=9mQ-Osxv7rg)

1.       A noite cai, o frio desce: um livro que se passa em uma época fria

Para esta categoria, escolhi o livro “Quando a neve cai” de John Green, Maureen Johnson e Lauren Myracle.

Estou sempre a falar deste livro e a dizer que o quero ler (expetativas lá em cima), porém ainda não tive a oportunidade de o fazer… no entanto, escolhi na mesma como resposta desta pergunta, porque de facto é o que me vem logo à cabeça.

Sinopse: Numa cidade isolada por uma das maiores tempestades de neve dos últimos cinquenta anos, três histórias, oito raparigas e rapazes e mais uns quantos caminhos vão cruzar-se num romance brilhante, mágico e divertido, a que não faltarão fragmentos de amor, laços de amizade, uma maratona de filmes do James Bond e beijos muito apaixonados.

Um livro perfeito para quem gosta de histórias de amor e aventura.


 

2.       Mas aqui dentro predomina esse amor que me aquece protege da solidão: um livro quentinho no coração

Li este livro já à algum tempo e raramente falo nele aqui no blog. O livro a que me refiro é “Namorado de aluguel” de Kasie West e não está publicado em Portugal, li na altura em Português do Brasil. É um livro super fofo e completamente cliché, mas que deixa qualquer amante deste tipo de literatura a suspirar e com “um quentinho no coração”!

Sinopse: Quando Bradley, o namorado de Gia Montgomery, termina com ela no estacionamento do baile de formatura, ela precisa pensar rápido. Afinal, ela vem falando dele para suas amigas há meses. Esta era para ser a noite em que ela provaria que ele não é uma invenção de sua cabeça. Então, quando vê um garoto esperando pela irmã no estacionamento do baile, Gia o recruta para ajudá-la. A tarefa é simples: passar por namorado dela — apenas duas horas, nenhum compromisso, algumas mentirinhas. Depois disso, ela pode tentar reconquistar o verdadeiro Bradley.

O problema é que, alguns dias depois do baile, não é em Bradley que Gia está pensando, mas no substituto. Aquele cujo nome ela nem sabe. Mas localizá-lo não significa que o relacionamento de mentira deles acabou. Gia deve um favor a esse cara, e a irmã dele tem a solução perfeita: a festa de formatura da ex-namorada dele — apenas três horas, nenhum compromisso, algumas mentirinhas.

E, justamente quando Gia começa a se perguntar se pode transformar seu namorado falso em real, Bradley reaparece, expondo sua farsa e ameaçando destruir suas amizades e seu novo relacionamento.

Inteligente e maravilhosamente romântico, Namorado de aluguel retrata a jornada inesperada de uma garota para encontrar o amor — e possivelmente até a si mesma.

 

3.       A noite cai, a chuva traz o medo e a aflição: um livro com uma atmosfera sombria

Não sou (de todo) uma pessoa que leia livros com atmosferas sombrias (se for terror nunca mesmo!) por isso, nunca tenho muito por onde escolher. “Despertar” de L. J. Smith é dos poucos livros com essa vibe que eu li (link do post com a opinião do livro: http://euliaeleio.blogspot.com/2017/01/despertar-de-l-j-smith.html)

Sinopse: Está na hora, Stefan, pensou Elena. E, com enorme delicadeza, atraiu de novo a boca dele para baixo, desta vez para a sua garganta. Na Itália renascentista, os irmãos Stefan e Damon Salvatore enfrentam-se pelo amor de uma jovem. Séculos mais tarde, voltarão a fazê-lo por Elena Gilbert, uma das suas colegas de liceu, que desconhece a sua verdadeira identidade. Stefan Salvatore, o novo aluno de Fell’s Church, arrasta com ele um passado misterioso, e também alguém que apenas deseja vingança, o seu irmão Damon: são mais do que irmãos de sangue e o seu ódio ultrapassa as barreiras do tempo… Agora procuram reproduzir um mortífero triângulo amoroso que tem no centro Elena, a jovem mais popular do liceu.

(link para compra do livro na wook: https://www.wook.pt/livro/despertar-l-j-smith/10995121)

 

4.       Mas é o amor que está aqui dentro que acalma meu coração: um livro que você gostaria de poder viver dentro e interagir com os personagens

Gostava imenso de puder interagir com os personagens e viver dentro do livro “A química dos nossos corações” de Krystal Sutherland, porque os personagens faziam tanta porcaria que só me apetecia chegar ao pé deles e abrir-lhes os olhos para a realidade, mas também escolhia esse livro porque apesar de tudo, adorei completamente os personagens e todo o enredo (relação de amor-ódio com o livro, entendem?) (link do post com a minha opinião:  http://euliaeleio.blogspot.com/2017/07/a-quimica-dos-nossos-coracoes-de.html)

Sinopse: Henry Page não esperava apaixonar-se. Considera-se um romântico, mas nunca viveu aquele momento em que o tempo para, a barriga se enche de borboletas e a música começa a tocar, sabe-se lá onde. Pelo menos, até ao momento.

Então, conhece Grace Town, a esquiva nova colega de escola, que se veste com roupa de rapaz demasiado grande, apoia-se numa bengala, parece tomar banho poucas vezes e esconde segredos desconcertantes. Não é bem a rapariga de sonho que Henry esperava, mas quando os dois são escolhidos para coordenar o jornal da escola, a química acontece.

Depois de tantos anos a salvo do amor, Henry está prestes a descobrir como a vida pode seguir um caminho tortuoso e como, por vezes, os desvios são a parte mais interessante desse mesmo caminho.

Uma estreia brilhante que equilibra humor e corações partidos, lembrando-nos de como o primeiro amor pode ser agridoce.


 

5.       No outono é sempre igual: um livro, autor ou gênero que você sempre gosta de ler nessa época do ano

Nesta altura do ano, por causa de toda a campanha que surge no mês de setembro sobre a temática do suicídio (o “Setembro Amarelo”, inclusive, tenho dois posts aqui no blog, de anos anteriores, falando desta campanha, caso tenham curiosidade em saber mais: http://euliaeleio.blogspot.com/2017/09/livros-com-tematica-do-suicidio-que.html e http://euliaeleio.blogspot.com/2016/09/fala-me-de-um-dia-perfeito-de-jennifer.html). Acaba por coincidir com a altura da entrada no outono e acho que se enquadra bastante bem.

 

6.       As folhas caem no quintal: um livro que trata sobre algum assunto delicado

Pegando um pouco no que já falei na resposta anterior, um dos livros com um tema delicado é “Fala-me de um dia perfeito” de Jennifer Niven. Já falei deste livro aqui no blog), à algum tempo atrás, inclusive, há um post com a minha opinião sobre ele (http://euliaeleio.blogspot.com/2016/09/fala-me-de-um-dia-perfeito-de-jennifer.html. Falando de uma forma muito geral, o livro trata de temas como a depressão, perda e suicídio.

Sinopse: Violet Markey vive para o futuro e conta os dias que faltam para acabar a escola e poder fugir da cidade onde mora e da dor que a consome pela morte da irmã. Theodore Finch é o rapaz estranho da escola, obcecado com a própria morte, em sofrimento com uma depressão profunda. Uma lição de vida comovente sobre uma rapariga que aprende a viver graças a um rapaz que quer morrer. Uma história de amor redentora.


 

7.       Só não cai o meu amor: um livro com uma história de amor

Existem de facto muitos… e eu já li alguns por isso a escolha não é fácil, mas para esta categoria escolhi o livro “Eleanor & Park” de Rainbow Rowell (há, inclusive, um post aqui com a minha opinião: http://euliaeleio.blogspot.com/2016/11/eleanor-park-de-rainbow-rowell.html)

É uma história de amor e de amizade linda, que nos trás diversos temas com ela.

Sinopse: Dois inadaptados. Um amor extraordinário.

Eleanor... é uma miúda nova na escola, vinda de outra cidade. A sua vida familiar é um caos; sendo roliça e ruiva, e com a sua forma estranha de vestir, atrai a atenção de todos em seu redor, nem sempre pelos melhores motivos.

Park... é um rapaz meio coreano. Não é propriamente popular, mas vestido de negro e sempre isolado nos seus fones e livros, conseguiu tornar-se invisível. Tudo começa a mudar quando Park aceita que Eleanor se sente ao seu lado no autocarro da escola.

A princípio nem sequer se falam, mas pouco a pouco nasce uma genuína relação de amizade e cumplicidade que mudará as suas vidas. E contra o mundo, o amor aparece. Porque o amor é um superpoder.


 

8.       Pois não tem jeito, não, é imortal: um livro que você acha que deveria virar um clássico para que todas as futuras gerações pudessem ler

“diz-lhe que não” de Helena Magalhães é um livro de crónicas que retrata na perfeição como são as relações românticas da atualidade. Sem dúvida, merecia se tornar um clássico e ser lido e relido ao longo dos tempos, pelas nossas futuras gerações. (Obviamente que há um post aqui no blog com a minha opinião deste livro: http://euliaeleio.blogspot.com/2017/05/diz-lhe-que-nao-de-helena-magalhaes.html)

Sinopse: «Conheço muitas mulheres que escolhem ficar em relações de merda porque é muito mais fácil viver assim do que enfrentar o mundo sozinhas. Do que terem de continuar a procurar. Talvez essas relações só sejam de merda aos meus olhos. Talvez, para elas, sejam exactamente aquilo que procuram. Mas eu não nasci para isso. Nasci para amar (e ser amada) profundamente. Vou continuar a procurar, mesmo que continue a cair de cabeça no chão. Vou sempre dizer sim ao amor. Às borboletas no estômago. Às pernas a tremer. Quero viver todas as sensações que o amor me puder oferecer.

E nunca, nunca, nunca me vou contentar com menos do que isso. Neste livro cada Capítulo corresponde a uma história. Poderia dizer-vos que são ficcionais, mas não são. Se são 100% reais? Também não. Porque, por vezes, fantasiar um pouquinho aquilo que vivemos torna-nos mais felizes.» Helena acredita no amor, apesar das relações fast-food que muitas vezes sente na pele.

Enquanto homens como o Sem Cojones, o Flash, o Velho, o Poeta ou o Telecomunicações vão passando pela sua vida sem deixar nada para contar a não ser histórias caricatas e, por vezes, inverosímeis, Helena continua à procura sem se deixar cair na tentação de se acomodar. Ao seu lado as suas amigas Beatriz, Olívia e Laura também vivem relações marcadas pela traição ou pelo abandono, mas sempre com a ideia de que um dia o «Mr. Right» vai aparecer. A jornalista Helena Magalhães, num registo irónico e actual, apresenta-nos um livro que nos faz reflectir sobre as relações amorosas nos dias de hoje em que as redes sociais marcam o ritmo e as juras de amor são feitas por Whatsapp, os «amo-te» vêm em forma de fotografia pelo Instagram ou que os ex-namorados e as ex-namoradas dos ex-namorados convivem alegremente no Facebook, assistindo à nossa vida como se de uma novela se tratasse.

Porque o amor é mais do que isto e há que dizer «não» até que a vida nos dê a entender que chegou o momento de dizer «sim». Um «sim» apaixonado, confiante e absoluto.

Espero que tenham gostado do post!
 
Beijinhos e boas leituras!

Lia